Vou confessar que torço pra que aconteça sempre desse jeito, mas sempre desse jeito que se costumam idealizar. Seja numa festa, seja numa noite na caminhada na praia, seja sentado numa lanchonete favorita. Sem nenhuma pretensão algo os envolve e começa aquele papo, também desprentencioso, e que logo poderá tornar-se especial. Não é a toa que essa idealização gera tanto fascínio. No filme “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças” não somente acontece, como acontece duas vezes com o mesmo casal. Ambas de forma tão espontânea e especial. Mas tomo cuidado para não me iludir. Acredito que espontaneidade e premeditação não andam juntos. É espontâneo exatamente porque não se deve programar, e torna-se especial exatamente porque é espontâneo. Como um bonito gesto de carinho espontâneo de um criança que o beija a face, um encontro como esse é um beijo a vida, vida essa que torna-se especial a cada novo caminho traçado, a cada novo lugar visitado, a cada nova boca beijada, a cada nova experiência vivida, especialmente aquela experiência não programada, especialmente aquele encontro.

About these ads