Que Deus te abençoe, meu filho

Tenho a concepção ideológica de não dar esmola. Seja por não ajudar a solucionar o problema, seja por condicioná-lo a comodidade, válido para jovem, adulto, até mesmo artista cênico; mesmo porque qualquer um que aprende habilidades manuais com tamanha destreza em tão pouco tempo merece ser chamado de artista. O problema sempre será mais profundo que essa ponta que aparece nos semáforos. Mas outro dia furtei-me de meus principios. Deve ser porque não resisto a um velhinho. Olhar idoso, voz idosa, com mão estendida, cortam meu coração em pedaços que mágico nenhum consegue juntar. Tentei ignorar, passei como se não fosse comigo aquela voz rouca daquela senhora sentada no meio da rua. Seu cobertor só cobria as pernas até a altura das coxas. Sua mão estendida, mesmo frente à minha indiferença, soou mais alto que qualquer palavra. Parei. Voltei. Das moedas que tinha no bolso nenhuma restou comigo. Ao entregar, percebo algo que tocou-me ainda mais. Além de idosa pedinte, o que já é um desespero para qualquer olhar otimista para o mundo, percebo que também é cega. Seu olhar reto no horizonte, agradecendo pela mísera doação feita,  comprovou minha suspeita. Tenho a desgraça de ver a imagem triste e depressiva de uma pobre miserável, impotente, em seu crepúsculo da vida. Feliz torna-se nesse momento essa senhora, que possui a singela graça de não ver minha humilhação e decepção diante do mundo e das pessoas, em que se permite ofertar comida e bom banho a alguns favorecidos, menos a ela. Não bastasse isso, ainda recebo um carinhoso “Que Deus te abençoe, meu filho”. Queria que todos fossem surdos; alimentaria ainda mais minha omissão diante da vida.

Que Deus te abençoe, meu filho

5 comentários sobre “Que Deus te abençoe, meu filho

  1. Olá, brunoalencarf. Sou prof. de Português numa escola estadual de SP e, ao pesquisar crônicas para utilizar como exemplo em sala de aula, encontrei a sua, que reconhecidamente possui um olhar poético e sensível. Gostaria que soubesse que utiliza-la-ei em minhas aulas-com as devidas fontes citadas, claro. Prazer conhecê-lo. Alberto Baldino.

  2. Tali disse:

    Me parte o coração quando acabo de vendo em tal situação; Você não sabe se dá ou se apenas passa como se nada estivesse realmente ali, ou até mesmo falando com você. É triste ao passar por uma pessoa e querer ajuda-lá mais de outras formas e não poder, porque por mais que você queira, não basta você, a pessoa é a primordial do querer. Por mais que a gente queira que a situação se torne invisível ao nosso olhos, a gente não pode ter o gostinho tão amargo de não reparar a pobreza dos seres humanos. E eu acho que é por isso, que eu ajudo… porque por mais que eu não saiba para onde minha ajuda vai dar, eu pude ajudar da maneira que eu acho que é certo, e ficar na esperança que o uso seja coreto. Parabéns!

  3. Ana Maria Dias Prado disse:

    Esta crônica me fez lembrar um episódio que se passou comigo. Ei ficar noiva e na minha época a mão da noiva era pedida com as devidas formalidades, em um jantar ou almoço em família, onde o noivo fazia o pedido aos pais da noiva e dava a aliança de noivado. Para me preparar fui à capital comprar um par de sandálias que combinasse com o vestido. Tive de gostar da mais cara por sinal, que custava quase todo o meu salário do mês, mas como se eu gosto de uma coisa nada mais me interessa, tive de comprar. Voltei para rodoviária numa mistura de remorço e alegria, remorço pelo preço e alegria por ter gostado tanto da sandália, quando me deparei na calçada com uma senhora moradora de rua, toda maltrapilha, com um pedaço de carne crua, comendo como se um animal. Não sabia o que fazer, o que pensar, só fez o meu remorço almentar. Enquanto eu pisaria em quase um salário, muitos não tem o que comer. Impotência, queria poder devolver a sandália e comprar comida decente para todos aqueles moradores de rua, mas lembrei que tive de comprar a sandália em suaves prestações. Pedi a Deus que me perdoasse!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s