Desarmargar a vida

Para Sandra Oliveira

O ser humano é a faca de dois gumes. Apesar de decepcionar-me muitas vezes, tenho que confessar que é muito bom quando me admira. E o que mais me admira é sua capacidade de superar-se. E não falo somente de superar-se nas condições humanas, mas digo em criar algo a partir do inusitado. Quem diria que poderia pegar algo amargo e transformar em algo tão prazeroso! Em seu blog (http://apenasumavez.wordpress.com), Sandra confessa seu prazer pelo café e por tudo que ele representa. Eu digo mais, o café pode mudar o mundo. Imagina se tudo que fosse amargo pudesse tornar-se prazeroso? Como é amargo ver o sofrimento de uma criança fazendo malabarismo nos semáforos! Como é amargo vermos crianças mutiladas em cidades do Oriente Médio! Como é amargo vermos as favelas do Rio dominadas pelo narcotráfico e autoridades corruptas! Quem sabe um dia o ser humano utilizar-se-á sua inteligência para saborear a vida desarmargando-a. Hoje o café tem seu charme. O capuccino é o um senhor de terno que desfruta de finesa e requinte, assim como o popular cafezinho representa o brasileiro clássico que mata um leão a cada dia. O café é democrático. Queremos ver charme e democracia naquela criança-malabarista, naquele palestino mutilado, naquele morador da favela. Pois no fundo há uma esperança de superação, basta ver o sorriso no rosto deles ao tomar aquele cafezinho.

Desarmargar a vida

Por que coleciono?

Poxa! É sempre um prazer. Não sei descrever. No começo era carrinhos, depois passou a ser chaveiro. Já tive também moedas. Latinha nem se fala. Há pouco, decidi por DVDs, agora estou na onda dos livros. Colecionar parece ser uma atividade autista. É você e o objeto. Nem precisa expor pra ninguém. É um prazer de guardar algo que o faça bem. Talvez mais que isso, é guardar na memória algo que lhe traga significado. Deve ser característico de pessoas que não valorizam bens materiais, porque não coleciono a matéria, coleciono algo que está por trás dela.

Por que coleciono?